Algumas gorduras podem ajudar a prevenir o câncer e outras o causam. Depende do tipo de gordura e da saúde do indivíduo. Entretanto, a longa cadeia de gorduras saturadas na carne vermelha e no óleo de palma são insalubres para todos. As gorduras saturadas mais curtas no óleo de coco são saudáveis. As gorduras insaturadas no óleo de linhaça, algas (Spirulina), óleo de peixe, salmão, cavala e sardinha também são saudáveis para a maioria das pessoas. O objetivo deste artigo é descrever alguns dos conceitos errados do passado sobre gordura e o pensamento atual sobre se duas gorduras dietéticas particulares, ADH e ALA (ácido docosahexaenóico e ácido α-linolênico), podem ou não ajudar a prevenir o câncer de próstata ou causá-lo. A resposta depende da pessoa (ou sistema vivo) que está consumindo ALA ou ADH e os outros alimentos que consome1.

Como mencionado em outro artigo anterior desta revista, houve no passado alguns conceitos errôneos sérios sobre gordura e saúde humana2. Uma vez foi assumido que, como o excesso de gordura corporal pode levar a muitos tipos de câncer, não se deve comer muita gordura. Além disso, foi-nos ensinado que as pessoas se tornavam gordas porque não tinham autodisciplina suficiente. Supostamente, elas eram gordas porque comiam demais e não se exercitavam o suficiente. Na verdade, a gordura é um tipo de molécula e nutriente, não uma descrição de uma pessoa. Portanto, ninguém é gordo. Os obesos não são gordos, eles são obesos. Isto raramente é devido a uma falha de personalidade ou a uma falta de autodisciplina. Muitas vezes, isso se deve a maus conselhos. Ou seja, uma dieta pobre em gorduras pode ser mortal. Isto foi demonstrado no estudo PURE (Prospective Urban Rural Epidemiology) de 125.287 participantes de 18 países da América do Norte, América do Sul, Europa, África e Ásia3. Os participantes que cortam gorduras tiveram vidas mais curtas do que aqueles que desfrutam de muitas gorduras, mesmo se elas vieram da manteiga, queijo e carnes. Embora o Serviço Nacional de Saúde Britânico tenha advertido as pessoas para não comerem muita gordura saturada, o grupo que comeu a menor quantidade de gordura saturada teve uma incidência de morte 13% maior. O grupo que consumiu a maior quantidade de gordura total teve uma incidência de morte 23% menor. Mais importante ainda, o grupo que consumiu a maior quantidade de carboidratos teve uma incidência de morte 28% mais alta. Os autores do estudo afirmaram que consumir um equilíbrio adequado de gorduras e carboidratos era o melhor para a saúde da população. A conclusão foi que 35% de todas as calorias de uma pessoa deveriam vir de gorduras3. Ainda assim, isto é uma simplificação excessiva. Deve-se consumir gorduras insaturadas - especialmente gorduras ômega que são encontradas em muitos tipos de frutos do mar e plantas - e evitar as gorduras saturadas que estão na carne.

Há um amplo consenso científico de que as gorduras saturadas de longa cadeia são ruins para quase todos, quando consumidas em excesso 4. Em contraste, as gorduras insaturadas e ômega-3 podem ajudar a prevenir doenças neurodegenerativas e cardiovasculares, assim como muitos tipos de câncer. Alguns deles são especialmente bons na prevenção do câncer de cólon, doença de Alzheimer, derrame e ataques cardíacos4. Entretanto, o ALA tem sido controverso. Pode ter causado ou prevenido o câncer de próstata, dependendo se você leu artigos publicados antes ou depois de fevereiro de 1994 (quando a triagem começou para o biomarcador, antígeno específico da próstata, PSA)5. Ainda assim, o ALA diminui a mortalidade geral, especialmente devido a doenças cardiovasculares. Entretanto, as recomendações atuais do governo simplificam em demasia algumas questões importantes.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos recomenda o consumo de "Óleos, incluindo os de plantas"6. Além disso, "os americanos devem ser encorajados a consumir menos de 10% de calorias por dia de gorduras saturadas". Alimentos ricos em gordura saturada incluem manteiga, leite integral, carnes que não são rotuladas como magras, e óleos tropicais como o óleo de coco e palma"6. Tais recomendações são geralmente escritas após muitas revisões e discussões acaloradas das versões anteriores. É sempre difícil encontrar um equilíbrio entre dar informações suficientes para permitir que os consumidores tomem decisões inteligentes, mantendo-as simples o suficiente para que a maioria das pessoas possa entendê-las. Portanto, compromissos são feitos.

Como resultado, as citações são simplificações exageradas. Elas não mencionam que o óleo de coco contém menos gorduras saturadas (com menos carbonos) que o óleo de palma, cuja produção é devastadora para as florestas tropicais7.

No entanto, nem todas as gorduras insaturadas e ômega têm os mesmos efeitos sobre a saúde de todos. Algumas, como a ADH, têm sido associadas a uma menor incidência de doenças neurodegenerativas e cardiovasculares, bem como a muitos tipos de câncer8. É um ácido graxo essencial que é um componente importante das membranas celulares no cérebro humano (especialmente o córtex cerebral), na pele e na retina. Entretanto, alguns estudos mostraram que o consumo excessivo de ADH pode aumentar o risco de câncer de próstata para o homem8. Mesmo assim, é ótimo para os bebês. O leite materno é naturalmente enriquecido com ADH. É também em óleo de peixe e peixe gordo. Também pode ser feito no corpo de ALA que se encontra na carne, plantas, Spirulina (algas azuis-esverdeadas) e óleo de algas. No entanto, apenas uma pequena porção de ALA dietética é convertida em ADH. Ainda assim, algumas pessoas consomem óleo de linhaça, que é quase 50% de ALA9. Ao contrário do óleo de peixe, o óleo de linhaça não contém nenhuma das toxinas ambientais que estão no salmão e no óleo de peixe.

Entretanto, as mulheres podem querer consumir ADH, uma vez que não possuem glândula prostática, mas têm cérebros brilhantes que poderiam usar os efeitos protetores do ADH. Os homens mais velhos que são física e mentalmente ativos e estão em baixo risco de doenças cardiovasculares e neurodegenerativas podem querer evitar suplementos de ADH. Entretanto, se estiverem em risco de desenvolver câncer de próstata, eles podem querer consumir ALA, que tem muitos efeitos sobre a saúde10-12.

Para complicar as coisas, tem havido relatos contraditórios sobre os efeitos do ALA sobre o câncer13-15. Um estudo mostrou que embora o ALA possa ajudar a prevenir ataques cardíacos fatais, ele pode aumentar o risco de câncer de próstata13. Um relatório posterior examinou os ensaios clínicos e pesquisas anteriores14. Concluiu que as gorduras ômega-3 (n-3) provavelmente não causam nem previnem o câncer de próstata. Expressado em linguagem científica, "não encontramos evidências consistentes que apoiem um papel de n-3s tanto na causa quanto na prevenção do câncer de próstata em qualquer estágio ou grau"14.

Note que não há ácidos de qualquer tipo no óleo de peixe, óleo de linhaça ou suplementos dietéticos contendo ALA ou ADH puros16,17. O ALA e o ADH não estão presentes como moléculas individuais, mas são parte de uma molécula maior chamada triglicérido. O triglicérido não é ácido, portanto, as pessoas que têm refluxo ácido podem consumir ALA, ADH, óleo de peixe e óleo de linhaça. Ao invés disso, os triglicerídeos que comemos são divididos em ácidos graxos mais glicerol. As gorduras polinsaturadas ômega-3 podem ser ainda mais convertidas para proteger as proteínas e as soluções que protegem contra a inflamação e resolvem a inflamação quando ela ocorre 16. Há um amplo consenso científico de que evitar a inflamação crônica, de baixo grau (inflamação ardente) pode ajudar a prevenir muitas doenças, ao invés do câncer. Então, por que os dados anteriores sugerem que isto pode não ser verdade para o câncer de próstata?

A resposta vem do pensamento de sistemas. Não é apenas a ALA, mas todo o alimento que é importante. Em um relatório recente, este fato se tornou evidente15. A razão pela qual a maioria dos estudos mais antigos descobriu que a ALA poderia causar câncer de próstata foi porque, naquela época, comer carne era muito mais comum do que é hoje. Muitos sujeitos obtiveram seu ALA da carne. Em ensaios clínicos mais recentes, mais sujeitos obtiveram ALA de fontes vegetais, tais como óleo de linhaça15. Além disso, o óleo de linhaça pode ajudar a prevenir doenças cardiovasculares, inclusive ataques cardíacos. No entanto, ao contrário do óleo de coco e do azeite de oliva, o óleo de linhaça não deve ser usado para cozinhar ou fritar alimentos. Ele possui muitas ligações duplas carbono-carbono que podem reagir com oxigênio e luz para produzir subprodutos causadores de câncer 16. Portanto, o óleo de linhaça deve ser armazenado em um recipiente escuro.

Ainda assim, a ciência reconhece que as evidências atualmente disponíveis são incompletas e enganosas. Um artigo recente fez um forte argumento de que este é o caso da nutrição18. Os autores questionaram a validade de dezenas de milhares de estudos epidemiológicos que foram baseados na auto-avaliação dos sujeitos e no relato preciso dos alimentos que comiam. Essas auto-avaliações quase nunca foram precisas18. Isto faz sentido. Uma das primeiras coisas que qualquer dieta popular lhe diz para fazer é anotar o que você come e bebe. Temos a tendência de esquecer os petiscos extras que podemos consumir. Às vezes, pode ser bastante difícil se ver como você realmente é.

Tudo o que podemos dizer é que a melhor evidência que temos agora suporta a hipótese de que os homens mais velhos que têm um baixo risco de doenças cardiovasculares e neurodegenerativas provavelmente deveriam evitar tomar suplementos dietéticos contendo ADH e deveriam limitar seu consumo de carne vermelha - especialmente se for grelhada19. Em vez disso, tais homens deveriam considerar o consumo de ALA a partir de óleo de linhaça e/ou Spirulina. Em contraste, alguns alimentos, como tomates (especialmente quando cozidos), brócolis (e outros vegetais Cruciferous) e suco de romã20 também podem ajudar a prevenir o câncer de próstata. Finalmente, a saúde de alguém depende de muito mais do que apenas uma parte da sua dieta. Toda a dieta e estilo de vida, assim como a genética e a epigenética afetam nossa saúde.

Bibliografia

1 Noveoolo, D. et al. A importância dos ácidos graxos ω-3 e ω-6 para a prevenção de doenças e na saúde humana. Revista Salus-Guarapuava-PR, Vol. 2, p. 77-87, 2008. 825 (unicentro.br)
2 Smith, R.E. Não coma carne! Salve-se e salve a humanidade. Meer, 29 Nov., 2022. Não coma carne | Meer
3 Mente, A. et al. Association of dietary nutrients with blood lipids and blood pressure in 18 countries: a cross-sectional analysis from the PURE study. Lancet Diabetes Endocrinology, Vol. 5, p. 774-787, 2017. Association of dietary nutrients with blood lipids and blood pressure in 18 countries: a cross-sectional analysis from the PURE study - PubMed (nih.gov) 4 Wang, D.D et al. Association of specific dietary fats with total and all-cause mortality. Journal of the American Medical Association, Internal Medicine, Vol. 176, p. 1134-1145, 2016. Association of Specific Dietary Fats With Total and Cause-Specific Mortality - PubMed (nih.gov) 5 Greupner, Theresa et al. Effects of a 12-week high-α-linolenic acid intervention on EPA and DHA concentrations in red blood cells and plasma oxylipin pattern in subjects with a low EPA and DHA status. Food & Function, Vol. 9, p. 1587-1600, 2018. Effects of a 12-week high-α- linolenic acid intervention on EPA and DHA concentrations in red blood cells and plasma oxylipin pattern in subjects with a low EPA and DHA status - PubMed (nih.gov) 6 United States Department of Agriculture. HHS and USDA Release New Dietary Guidelines to Encourage Healthy Eating Patterns to Prevent Chronic Diseases. January 7, 2016. https://www.fns.usda.gov/pressrelease/2016/000516 7 White, Rob. The global context of transnational environmental crime in Asia. In: The Palgrave Handbook of Criminology and the Global South Carrington Kerry et al. (eds). Palgrave Macmillan, London, 2018. 8 Calder, Philp C. Very long-chain n-3 fatty acids and human health: fact, fiction and the future. Proceedings of the Nutrition Society, Vol. 77, p. 52-72, 2018. Very long-chain n-3 fatty acids and human health: fact, fiction and the future - PubMed (nih.gov)

9 Rodriguez-Leyva, Delfin et al. The cardiovascular effects of flaxseed and its omega-3 fatty acid, alpha-linolenic acid. Canadian Journal of Cardiology, 26: 489-496, 2010. 10 Greupner, Theresa et al. Effects of a 12-week high-α-linolenic acid intervention on EPA and DHA concentrations in red blood cells and plasma oxylipin pattern in subjects with a low EPA and DHA status. Food & Function, Vol. 9, p. 1587-1600, 2018. Effects of a 12-week high-α- linolenic acid intervention on EPA and DHA concentrations in red blood cells and plasma oxylipin pattern in subjects with a low EPA and DHA status - PubMed (nih.gov) 11 Rajaram, Sujatha. Health benefits of plant-derived α-linolenic acid. American Journal of Clinical Nutrition, Vol. 100, p. 443S-448S, 2014. Health benefits of plant-derived α-linolenic acid - PubMed (nih.gov) 12 Barceló-Coblijn, Gwendolyn and Murphy, Eric J. Alpha-linolenic acid and its conversion to longer chain n-3 fatty acids: Benefits for human health and a role in maintaining tissue n-3 fatty acid levels. Progress in Lipid Research, Vol. 48, p. 355-374, 2009. Alpha-linolenic acid and its conversion to longer chain n-3 fatty acids: benefits for human health and a role in maintaining tissue n-3 fatty acid levels - PubMed (nih.gov) 13 Brouwer, Ingeborg A. et al. Dietary α-linolenic acid is associated with reduced risk of fatal coronary disease, but increased prostate cancer risk: a meta-analysis. Journal of Nutrition, Vol. 134, p. 919-922, 2004. Dietary alpha-linolenic acid is associated with reduced risk of fatal coronary heart disease, but increased prostate cancer risk: a meta-analysis - PubMed (nih.gov) 14 Dinwiddle, Michael T et al. Omega-3 fatty acid consumption and prostate cancer: a review of exposure measures and results of epidemiological studies. Journal of the American College of Nutrition, Vol. 35, p. 452–468, 2016. Omega-3 Fatty Acid Consumption and Prostate Cancer: A Review of Exposure Measures and Results of Epidemiological Studies - PubMed (nih.gov) 15 Wu, Juan et al. A 24-year prospective study of dietary α-linolenic acid and lethal prostate cancer. International Journal of Cancer, Vol. 142, p. 2207-2214, 2018. A 24-year prospective study of dietary α-linolenic acid and lethal prostate cancer - PubMed (nih.gov) 16 Kouam´e, K.J.E-P. Novel trends and opportunities for microencapsulation of flaxseed oil in foods: A review. Journal of Functional Foods, Vol. 87, article 104812, 2021. Novel trends and opportunities for microencapsulation of flaxseed oil in foods: A review - ScienceDirect 17 Guillén, M.D. and Ruiz, A. Rapid simultaneous determination by proton NMR of unsaturation and composition of acyl groups in vegetable oils. European Journal of Lipid Science and Technology, Vol. 105, pp. 688-696, 2003. Rapid simultaneous determination by proton NMR of unsaturation and composition of acyl groups in vegetable oils - Guillén - 2003 - European Journal of Lipid Science and Technology - Wiley Online Library 18 Archer, E. et al. The failure to measure dietary intake engendered a fictional discourse on diet- related diseses. Frontiers in Nutrition, Vol. 5, p. 15, 2018. The Failure to Measure Dietary Intake Engendered a Fictional Discourse on Diet-Disease Relations - PMC (nih.gov) 19 Gann, P.H. and Giovannucci, E.L. Nutrition and Prostate Cancer, Prostate Cancer Foundation, Santa Monica, CA, 2005.

20 Paller, Channing J. A review of pomegranate in prostate cancer. Prostate Cancer and Prostatic Diseases, Vol. 20, p. 265-270. A Review of Pomegranate in Prostate Cancer - PMC (nih.gov)